Contato
Jardim Goiás - Goiânia/GO 74.785-132,
[email protected]
WhatsApp: 62 98581-3600
Trabalhe Conosco
[email protected]
WhatsApp: 62 9 8581-3600

Modelos virtuais ganham espaço na moda durante a pandemia

Em meio à pandemia, modelos e influencers virtuais ganham espaço na moda

Campanha com modelos virtuais

Desde 2016, personagens virtuais como Noonoouri são recorrentes na moda. Criadas por designers gráficos, essas figuras têm faturado milhares de seguidores, contratos com agências de modelos internacionais e parcerias com algumas das principais grifes do mercado de luxo. O número de trabalhos dedicados aos avatares renderizados já crescia consideravelmente antes de pandemia, porém, o distanciamento social acabou acelerando a disseminação da computação gráfica na indústria têxtil. Nas últimas semanas, etiquetas apostaram na ferramenta para divulgar as novidades das temporadas resort 2020 e primavera/verão 2021, utilizando-a para substituir modelos em ensaios e desfiles. Poderiam as máquinas ocupar o lugar das profissionais de carne e osso?

Vem comigo saber mais!

Giphy/Burberry/Divulgação

Giphy/Burberry/Divulgação

As medidas impostas para deter o avanço da Covid-19 pelo mundo impossibilitaram o desenvolvimento de desfiles, campanhas e ações publicitárias. As temporadas resort e primavera/verão, que começam a ser planejadas em março, acabaram sendo impactadas diretamente pelo isolamento.

Sem qualquer certeza sobre quando seria possível retomar as atividades de marketing tradicionais no mundo da moda, muitas etiquetas apostaram nos ensaios a distância e há, até, quem tenha envolvido a avó na divulgação de novos produtos. Porém, para um visionário time de diretores criativos, o momento abriu espaço para uma tecnologia que já ganhava força na indústria têxtil.

A computação gráfica, usada para dar vida às comentadas influenciadoras, modelos e roupas virtuais, se mostrou uma boa solução para os percalços provocados pela pandemia. Se no mundo real as profissionais da moda estavam ilhadas em casa, no universo on-line as máquinas estavam prontas para preencher as lacunas deixadas pelo distanciamento.

Zara/Divulgação

Modelo posando com peças da ZaraModelos clicaram fotos para as redes sociais da Zara diretamente de suas casas

Pierre-Ange Carlotti/Jacquemus/Divulgação

Bella Hadid posa para Jacquemus com a Le ChiquitoA grife francesa Jacquemus também recorreu ao método a distância

Jacquemus/Divulgação

Liline Jacquemus com conjunto de alfaiatariaSimon Porte Jacquemus fotografou até a própria avó para divulgar novos produtos

@noonoouri/Instagram/Reprodução

Noonoouri com um look BurberryAs modelos foram impossibilitadas de trabalhar, mas figuras como Noonoouri estavam a postos para preencher a lacuna deixada

Computação gráfica nas semanas de moda

Em 1998, o designer Helmut Lang experimentou trocar um de seus comentados desfiles por um lançamento via CD-ROM. Em vez de receber convidados em torno de uma passarela, o austríaco mostrou as novidades da temporada em um show previamente gravado.

“O grande experimento não foi isento de desvantagens, mas aponta o caminho para o futuro, em uma indústria global que busca alternativas aos desfiles. É estranho que em um setor no qual há mudanças a cada estação o método de apresentação seja o mesmo há quase 50 anos”, escreveu Constance White, no New York Times, à época.

Mais de 20 anos depois, a persistência do mercado no tradicional formato continuava a mesma, sem grandes atualizações e reformulações significativas. Porém, o novo coronavírus obrigou as semanas de moda e as grifes de luxo a se adequarem à realidade do isolamento social.

Com a propagação da Covid-19, os eventos dedicados ao menswear e à alta-costura, que normalmente acontecem entre junho e julho, chegaram a ser cancelados. No entanto, após especialistas começarem a questionar a capacidade de reinvenção das semanas de moda, com grifes de grande importância ameaçando abandonar as plataformas, as organizações responsáveis pelas fashion weeks deram o braço a torcer, investindo em soluções digitais.

Helmut Lang/Divulgação

Desfile em CD-Rom de Helmut LangHelmut Lang tentou modernizar os fashion shows, mostrando coleção em CD-Rom, ainda em 1998

Federação da Alta Costura e Moda/Divulgação

Paris Fashion WeekMais de 20 anos depois, no entanto, o formato continuou o mesmo

Alberta Ferretti/Divulgação

Look de Resort 2021 da Alberta FerrettiA chegada da pandemia obrigou as grifes do universo fashion a se adaptar ao distanciamento social

As marcas envolvidas nos tradicionais eventos de moda adequaram seus lançamentos aos mais diversos tipos de formatos, entre curta-metragens, desfiles pré-gravados e ensaios. Porém, para algumas etiquetas, a melhor solução foi recorrer à computação gráfica.

Entre as atrações da primeira edição on-line da semana de moda de Londres, o designer de acessórios Stephen Jones Millinery investiu em um vídeo estrelado pela boneca virtual Noonoouri. Graças à ideia, sua mais recente coleção de chapéus ganhou a atenção dos mais de 360 mil seguidores da personagem, como Marc Jacobs, Naomi Campbell, Maria Grazia Chiuri e Kim Kardashian.

Desenvolvida pelo designer alemão Joerg Zuber, o avatar renderizado já havia garantido algumas parcerias com as etiquetas Tommy Hilfiger, Hugo Boss, Valentino, Prada e Gucci, tornando-se parte do casting da IMG Models. Todavia, durante a pandeia, a modelo virtual expandiu ainda mais seu currículo, protagonizando trabalhos para L’Officiel, MSGM, Lacoste, Vogue, Elle, Versace, Mugler e Viktor & Rolf. A label francesa, inclusive, selecionou a influenciadora virtual para mostrar uma das criações da casa durante a semana de alta-costura digital.

Na Milão Fashion Week on-line, que recebeu o retorno dos desfiles físicos por meio das apresentações da Etro e Dolce & Gabbana, as grifes Han Kjøbenhavn e Sunnei também se destacaram por inovar as exibições de moda com animações tridimensionais. Ambas as marcas utilizaram avatares animados para revelar as apostas para a primavera/verão 2021.

Stephen Jones Millinery apostou em fashion film com a modelo digital Noonoouri

Personagem tem mais de 360 mil seguidores no Instagram

Ela é muito bem relacionada. É amiga de nomes como Tommy Hilfiger

@noonoouri/Instagram/Reprodução

NoonoouriAtualmente, a figura renderizada é agenciada pela IMG Models, que representa Alessandra Ambrósio, Gisele Bündchen, Bella e Gigi Hadid

Noonoouri participou da mostra da Viktor & Rolf, na edição digital da Semana de Alta-Costura

Sunnei/Divulgação

Modelos virtuais SunneiA italiana Sunnei levou visuais tridimensionais ao Milão Fashion Week digital

Giphy/Sunnei/Divulgação

Giphy/Sunnei/DivulgaçãoColeção de primavera/verão 2021 foi exibida em vídeo

Giphy/Han Kjøbenhavn/Divulgação

Giphy/Han Kjøbenhavn/DivulgaçãoA Han Kjøbenhavn escaneou modelos para dar vida aos seres que protagonizaram a nova ação da label

Global Talents Digital

Até então pouco conhecida no cenário internacional, a estilista congolesa Anifa Mvuemba ganhou visibilidade mundial ao apresentar a coleção Pink Label por meio de ferramentas tridimensionais. Ela foi a primeira marca a apostar no formato durante o isolamento social, ainda em maio.

De olho no sucesso da designer, o Mercedes-Benz Fashion Week Rússia, que ainda tenta obter o alcance das demais semanas de moda europeias, ao lado Conselho de Moda Russo, resolveu lançar um concurso para incentivar o uso da tecnologia na indústria têxtil. A primeira edição do Global Talents Digital aconteceu no mês passado, durante dois dias, e recebeu trabalhos de 50 artistas, de 20 países diferentes, mesclando realidade aumentada, roupas digitais e modelos virtuais.

Os participantes escolhidos pela organização abordaram a moda sustentável por meio de políticas de desperdício zero, upcycling, tecidos de alta tecnologia e apoio à produção local, tudo acompanhado por uma audiência global. O TikTok, parceiro da iniciativa, levou todos os projetos ao concorrido feed da plataforma, dando às empresas a possibilidade de conquistar a geração Z com a hashtag #RewiringFashion.

Avatares que poderiam, facilmente, ter saído de jogos como The Sims e League of Legends, mostraram-se efetivos do ponto de vista comercial. Etiquetas ainda em ascensão, como a Be.Li.Ve, Rabbit Hole e Natalia Sushchenko, da Rússia; Jake Liu, da Austrália; Annaiss Yucra, do Peru; e Vanesa Krongold, da Argentina; passaram a frequentar, pela primeira vez, as manchetes dos maiores veículos de moda do mundo, graças ao uso da computação gráfica.

Giphy/Mercedes-Benz Fashion Week Rússia/Divulgação

O Mercedes-Benz Fashion Week Rússia convocou designers de todo o mundo no intuito de achar soluções virtuais para os desfiles de moda

Desfile virtual da Rabbit Hole, exibido no Global Talents Digital

Mercedes-Benz Fashion Week Russia/Divulgação

A Annaiss Yucra, do Peru, recorreu à modelo virtual Ivaany

Criações da Be.Li.Ve Studio 

Algumas etiquetas preferiram não usar traços humanoides

Mercedes-Benz Fashion Week Russia/Divulgação

Enquanto outras, como a Natalia Sushchenko, colocaram vida em esculturas renascentistas

Campanhas de peso

Para sua segunda campanha com a Burberry, executada após o distanciamento social, Kendall Jenner se fotografou em casa, vestindo a logomania da grife britânica. Todavia, os autocliques foram apenas uma parte do trabalho. A campanha, liderada pelo diretor criativo Riccardo Tisci, o fotógrafo Nick Knight e o diretor de arte Peter Savillee, capturou os traços da estrela para transformá-la em um personagem realista tridimensional.

Sem sair do conforto de sua residência, o rosto da modelo do clã Kardashian surgiu em uma piscina futurista vazia, ambientada com alguns blocos artísticos acrescentados por meio da edição de arte. A ação rendeu milhões de likes e garantiu a difusão do novo compilado da label.

Burberry/Divulgação

Em sua segunda campanha para a Burberry, Kendall Jenner fez autorretratos em casa

Modelo vestiu modelos estampados da coleção TB Summer Monogram

Burberry/Divulgação

Traços da norte-americana foram usados para criar uma versão virtual dela

Sempre incorporando as novidades tecnológicas aos seus projetos, o e-commerce brasileiro Amaro lançou uma modelo virtual em meio à pandemia. Batizada de Mara, a personagem foi projetada para atender às demandas da equipe de marketing sem a necessidade de envolver as profissionais de carne e osso nas peças publicitárias.

“As marcas estão buscando alternativas para produzir conteúdo de qualidade sem colocar seus colaboradores e parceiros em risco. Pensando nisso, a Amaro investiu em uma modelo virtual hiper-realista que vai vestir os looks e lançamentos da marca em todas as plataformas digitais”, contou a fashiontech.

Um time de 16 pessoas trabalhou remotamente para desenvolver o avatar tridimensional, concretizado em parceria com a Big Studios, produtora de conteúdo digital e animação. De início, a ferramenta será usada exclusivamente em campanhas. Contudo, a expectativa é de que, no futuro, a boneca virtual passe a atuar como uma interface de inteligência artificial.

Amaro/Divulgação

A personagem Mara foi lançada em maio

Avatar tridimensional foi desenvolvido remotamente

Amaro/Divulgação

Um time de 16 profissionais atuou no projeto

A novidade foi compartilhada nas redes sociais da Amaro

Personagens virtuais x Modelos

Mara não é a primeira modelo virtual do Brasil, tampouco do mundo. Desde 2016, nomes como Lil Miquela, Noonoouri e Shudu entregam dados de relevância aos departamentos de marketing do mercado fashion, arrebatando trabalhos antes dedicados apenas às top models. Vale destacar que as figuras tridimensionais podem estar em qualquer lugar, a qualquer hora.

Segundo a HypeAuditor, influenciadores virtuais são “personalidades on-line construídas por imagens de computação gráfica e controladas por marcas ou agências de mídia”. Em um recente relatório, a empresa que analisa tendências das redes sociais identificou que essas figuras tiveram quase três vezes mais engajamento que os profissionais reais nos últimos anos.

O Brasil é responsável por 9% dessa audiência, perdendo apenas para os Estados Unidos (23%). “Conforme os profissionais se tornam menos necessários para que o cliente conte sua história, começaremos a notar mudanças sísmicas enormes”, previu Doreen Small, sócio da Davis Shapiro Lewit Grabel & Leven, à Elle.

Alexis Ohanian, cofundador do Reddit, recentemente comparou as celebridades do mundo virtual as do mundo real. “É possível afirmar que a foto de uma pessoa de carne e osso, alterada por meio de filtros, softwares ou aplicativos de tratamento de imagens, é real? As mídias sociais têm sido dominadas por seres humanos reais sendo falsos”, comentou ao Wall Street Journal.

@lilmiquela/Instagram/Reprodução

Lil Miquela já passa dos 2,5 milhões de seguidores no Instagram e tem, até mesmo, um contrato com a agência hollywoodiana Creative Artists Agency

Descrita como metade brasileira e metade espanhola, a jovem de 19 anos estreou nas redes sociais em 2016

@lilmiquela/Instagram/Reprodução

Criada pela agência Brud, ela já participou de campanhas da Calvin Klein, Chanel e Dior

O estúdio localizado no Vale do Silício também é responsável por Blawko

@blawko22/Instagram/Reprodução

O modelo californiano que nunca revela o rosto inteiro é o melhor amigo de Miquela

@bermudaisbae/Instagram/Reprodução

Bermuda, ex-namorada de Blawko, também faz parte do time de influenciadores virtuais da companhia de tecnologia

@shudu.gram/Instagram/Reprodução

A britânica Shudu, que agora tem 205 mil seguidores no Instagram, é tão realista que a discussão sobre sua autenticidade se arrastou até 2018

@shudu.gram/Instagram/Reprodução

Obra do artista Cameron-James Wilson, a figura já posou ao lado de modelos reais, como Alexandra Maleek

@koffi.gram/Instagram/Reprodução

Personagem ganhou um companheiro, batizado de Koffi

@lewis_hiro_newmann/Instagram/Reprodução

Lewis Newman é uma representação do ator e investidor japonês Hiro Mizushima

@lewis_hiro_newmann/Instagram/Reprodução

Descrito como uma “pessoa” que vive entre Londres e Tóquio, o personagem chegou ao Instagram recentemente, em outubro de 2019, e tem 10,6 mil seguidores

Ainda assim, o negócio da influência virtual ainda não movimenta tanto dinheiro em território nacional. Enquanto algumas estrelas das redes sociais faturam até R$ 500 mil por mês no mercado nacional, Vic Kalli, a primeira influenciadora 100% digital brasileira, ainda não chegou a 17 mil seguidores.

No entanto, para o especialista Arthur Igreja, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), “é mera questão de tempo” até a tendência se instalar por aqui. De acordo com ele, o fenômeno dos avatares tridimensionais é uma das apostas do livro The Non-Obvious Trends (“tendências não-óbvias”, em tradução livre), do renomado marqueteiro Rohit Bhargava.

Na visão do professor, uma das principais vantagens dos influenciadores virtuais em relação aos “reais” é não ter limitações linguísticas. A partir dos softwares que transformam dados em imagens e vídeos, eles podem dominar todos os idiomas, além contagiar os seguidores com emoções fabricadas. Isso porque os humanos são neurologicamente predispostos a sentir empatia por robôs e personagens de computação gráfica.

@vic.kalli/Instagram/Reprodução

Vic Kalli se declara a primeira influenciadora 100% digital brasileira

@vic.kalli/Instagram/Reprodução

Ela foi lançada no início de 2019, mas ainda conta com poucos seguidores, se compararmos às modelos virtuais de fora

@ivaany.h/Instagram/Reprodução

Embora produzidas em outros países, personalidades como Ivaany se denominam brasileiras. Na primeira postagem da modelo virtual, ela diz ter nascido na “Amazônia, Bahia, Brasil”

Mercedes-Benz Fashion Week Russia/Reprodução

Candice Klubb também é da nova safra de figuras tridimensionais

É possível que a computação gráfica roube o espaço das modelos? Sara Ziff, fundadora e diretora executiva da Model Alliance, acredita que não. “Sempre haverá um interesse nos seres humanos, em suas vidas e na evolução de suas carreiras, mas, de qualquer forma, as meninas estão de olho na movimentação”, contou à Elle.

A executiva entregou que muitas profissionais estão preocupadas com o padrão de corpo perfeito que esses avatares podem gerar, mas revelou que outras já pensam em se disponibilizar para digitalização, com o objetivo de fechar trabalhos não presenciais. “Algumas levantaram preocupações sobre as verificações tridimensionais do corpo, que podem ser alteradas no computador. Também há uma preocupação legítima a respeito da liberações de imagem. As pessoas podem ser aproveitadas sem saber e isso logo pode afetar a indústria”, sugeriu.

@bermudaisbae/Instagram/Reprodução

Modelos de verdade estão preocupadas com os padrões que os avatares podem impor ao mercado

@koffi.gram/Instagram/Reprodução

Afinal, a forma dos personagens só depende de seus criadores

Burberry/Divulgação

Até modelos “reais” podem ser transformadas em virtuais, como fez Kendall Jenner com a Burberry

Não sabemos onde os personagens da computação gráfica irão chegar, mas é evidente que eles estão ocupando cada vez mais espaço no mundo da moda. Conforme a resolução das telas e visores evolui, as possibilidades em torno dessas tecnologias tridimensionais só crescem, principalmente em cenários de instabilidades políticas, econômicas e de bem-estar.

As ferramentas podem representar um porto seguro para os departamentos de marketing nos próximos anos. Contudo, as modelos e suas personalidades reais e marcantes devem se manter no coração do público, sempre apegado às histórias de superação. Há espaço para todos.

Fonte: Metrópoles

Author avatar
SUPREME 3D

Post a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

We use cookies to give you the best experience.